Ir para ...

Hoje: 18/11/2017 e são 21:25

Campanha pela paz na Síria: apelo aos governos a não comprar armas


“Cinco anos de guerra, milhares de vítimas, milhões de deslocados: é este o triste balanço da guerra na Síria, que continua a transtornar a população local”.

Diante deste cenário indescritível, a Caritas Internacional está se mobilizando para pôr um ponto final nesta guerra insensata. A este respeito, a Rádio Vaticano entrevistou o Secretário geral da Caritas Internacional, Michel Roy, que ilustrou a iniciativa lançada pelo organismo para os próximos doze meses: “A necessidade desta iniciativa nasceu do apelo crescente dos membros das Caritas daquela Região – Síria, Iraque, Líbano – Jordânia e Turquia – que, na reunião realizada em setembro do ano passado, expressaram fortemente o desejo de paz para seus povos. Logo a necessidade de paz é primordial para nossos amigos do Oriente Médio. Eis porque a Caritas Internacional respondeu a esta urgência lançando uma Campanha de mobilização contra esta indiferença por parte dos governos, para que encontrem um meio sério e responsável para deter este conflito e intervenha em nível político”. Em sua Mensagem para o Dia Mundial da Paz, o Papa pede para vencer a indiferença para se conquistar a paz.

Após cinco anos de guerra na Síria, o senhor não acha que a mídia quase se acostumou à ideia da impossibilidade de se resolver este impasse?
“Sim, há certa indiferença da opinião pública, que pode chegar a este risco.

Quem fala, hoje, da guerra de Darfour, no Sudão, depois de doze anos?
Ninguém! A indiferença não é só da opinião pública, mas também dos interesses de Estado e das multinacionais. O Oriente Médio é uma região rica e interessa àqueles que vendem armas; há ainda um grande interesse geopolítico. O que levou a Europa a mudar de ideia e se preocupar mais pelos países médios orientais é o grande fluxo de pessoas que pedem asilo político ao Velho Continente”. Outro sentimento, além da indiferença, é a impotência de tanta gente.

Senhor Michel Roy, o que os cristãos podem fazer pelos sírios, através da Caritas, especialmente durante este Ano Jubilar? “
A primeira coisa é rezar. Lembro o dia de oração pela Síria, promovido pelo Papa Francisco há dois anos. Tenho certeza que, para começar, temos que rezar, para que Deus nos ajude a encontrar o caminho justo para alcançar a paz. Outra coisa é pedir aos políticos e governos que se esforcem para trilhar o caminho da paz, sem se envolver na compra de armas. Depois, outro desafio para a comunidade internacional, é ajudar os refugiados, que contam oito milhões só no território da Síria. Nos países vizinhos, como Iraque, Jordânia, Turquia e Líbano, os refugiados são quatro milhões. Todas estas pessoas devem ser ajudadas, porque não podem sobreviver sozinhos”. (MT)

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *